Brasil, América Latina?

latino americano

Não é novidade, mas não deixa de sempre (me) surpreender. Como o Brasil é isolado da identidade latino-americana de seus vizinhos de continente. A América, luta a luta, libertou-se do domínio espanhol, enquanto o gigante ali ao lado permanecia adormecido sob a tutela portuguesa.

Festejando o bicentenário de sua independência, o Chile tem nesses tempos de 2018 uma exposição na sua biblioteca nacional – cuja fundação é anterior ao famoso grito de Dom Pedro I às margens do Ipiranga –, na qual narra o processo de libertação e frisa que, após ela, o argentino San Martín seguiu ao Peru, para ajudar na independência daquele país.

Uma espécie de altruísmo? Talvez, mas está mais para uma missão que todos sabiam: enquanto houvesse um país colonizado por espanhóis na região, nenhuma independência estaria plenamente segura. Não à toa, houve diversas batalhas a Oeste do Brasil nas décadas iniciais do século XIX.

Isso tudo enquanto o rei Dom João VI recém apaixonava-se pelo Rio de Janeiro. Isso tudo aqui ao lado do Brasil. E, eu, jornalista caucasiano que recebeu boa educação no Brasil do século XX e XXI quando era estudante, nem lembro de ter visto em livros quando estava no colégio. Talvez por estar aprendendo mais sobre vassalos, suseranos e Napoleão do que os libertadores dos meus vizinhos.

Anúncios

Santiago de Chile

santiago coracao

Bienvenido

Os dias em Santiago foram intensos, como relatado recentemente. Havia pegado algumas informações com uns conhecidos e, na base do tato, descobri outras. Então resolvi fazer aquela internet do bem e compartilho aqui algumas dicas úteis a viajantes que, Google afora, acabaram por aportar por aqui. Dicas, essas, que eu mesmo estava atrás no mês de março.

O Chile é caro?
Sim. Boa parte dos locais tem um preço meio salgado em relação aos brasileiros (mais especificamente aos porto-alegrenses). Ainda assim, há itens que variam demais. Um exemplo extremo é um blusão de lã de alpaca. Dá para comprar um por 7 mil pesos (uns R$ 40)  em uma feira de artesanato ao lado do Patio Bellavista. Mas encontra-se praticamente o mesmo modelo a 50 mil (R$ 285) no aeroporto – onde, claro, tudo é mais caro, bem mais caro, no caso. Em compensação, o vinho é barato e de qualidade. Principalmente se for comprado em supermercado.

Santiago é segura?
Uma medição de segurança que faço é observar se as pessoas andam com a mochila ou a bolsa para frente em locais movimentados. Digamos que 20% das pessoas que reparei faziam isso. A verdade tragicômica é: não vi cenários que assustassem a quem é brasileiro morador de cidade grande. Como ponto positivo, as pessoas ficam até tarde na rua caminhando.

Um bom bairro para ficar?
Fiquei no bairro de Providencia, o qual achei bem localizado, seguro e perto de locais interessantes. Voltaria a me hospedar lá.

Chegando lá, como faz para ir do aeroporto ao meu hotel?
Ao hotel direto tem serviços de transfers direto do aeroporto. Usei o Transvip na chegada e foi de boa. Em abril de 2018, deu 7500 pesos por pessoa.

Tem jeito de ir mais barato?
Sim, pela empresa Turbus. Pega-se um ônibus no aeroporto e desce em um terminal interligado à rede de metrô, na estação Universidad de Santiago. Isso, apesar de não descer necessariamente na porta do hotel, faz o custo de transporte cair à metade em comparação ao transfer. Nesse mesmo terminal, pode-se pegar ônibus a Valparaíso e Viña del Mar.

O metrô é tranquilo?
Ele é normalmente cheio, mas muito constante. Suas seis linhas se espalham ao longo de quase toda a cidade. É necessário comprar um cartão para se andar no metrô. Ele não é individual e pode ser utilizado por casais e/ou grupos. Aqui está o site oficial com as linhas e há também um aplicativo, que pode ajudar na navegação por lá. É um dos melhores metrôs que já peguei por aí.

E o preço?
Atenção, o preço varia conforme o horário do dia. São três faixas de tarifas, variando de 630 a 760 pesos. O link amigo, por cortesia.

Desde Chile: As férias

chile

O noticiário no Brasil pegava fogo nos primeiros dias de abril e logo eu – um jornalista de redação – de férias. E sem o menor peso na consciência de estar perdendo mais “uma cobertura histórica”, tentei aproveitar o fato de o Chile não ter fronteira com o meu país para desopilar deste grande incêndio — o qual eu, como mídia, em parte ajudei a criar.

Férias, porém, não são necessariamente descanso. Nas duas primeiras noites que dormi em Santiago deitei exausto. Por gosto ou quem sabe desejo inconsciente de evitar locais com conexão à internet e às notícias brasileiras. Azar do Instagram, as fotos que ficassem para mais tarde. Caiu consideravelmente meu tempo na internet nesse período.

Viagem boa é aquela que o corpo sente fisicamente. Isso para a cabeça desbravar novos horizontes. Sejam eles mirantes, vinhedos, um centro histórico, praças ou histórias locais. A capital do Chile, aí, desponta como um local que preenche bem esses requisitos.

santiago panoramica

Santiago é uma metrópole fácil de se encontrar, com um metrô eficiente e um quê multicultural, além de ser convidativa para longas caminhadas e perto de montanhas, onde a vista vai mais longe. Aos pés da cordilheira, é em grande parte, plana.

Fiquei uma semana por lá. Ainda que volta e meia me encontrasse com o turbilhão brasileiro ao parar para ler manchetes dos jornais, Santiago e o Chile me ajudaram a encontrar um descanso necessário para alguém que vive o cotidiano diário de uma redação inundada de notícias do Brasil – que, olha, não são fáceis.

Gracias, Santiago. ¡Que lo pase bien!

Desde Chile: Então veio o cachorro

Snoopy

Bem avisou Snoopy na tirinha acima: “Então veio o cachorro”. Se os desenhos de Charles Schulz representassem uma espécie de gênese do mundo, provavelmente, então, a vida começou no Chile, tamanha é a quantidade de cachorros de rua que por lá estão.

Claro, a minha mostra foi um tanto quanto pequena territorialmente falando. Quatro cidades apenas. Em todas, porém, parecia que sempre havia um vira-latas por perto. Um não, mais. Na maioria das vezes tirando uma soneca, completamente alheios ao movimento ao redor. Admito certa inveja da relação com o sono que eles têm.

E não são quaisquer cachorros. São grandes, peludos e relativamente gordos – em contraste à maioria dos quatro patas que vejo caminhando por Porto Alegre. Não raro andam, ou dorme, em hordas pelas calçadas da vida.

A relação com os humanos parece ser boa. Em Valparaíso, cheguei a encontrar até mesmo um pequeno espaço para doação de comidas aos caninos. Dois dias antes, em Santiago, um cusco dormia tranquilamente seguro ao lado da roda de uma viatura policial. Duas horas depois, voltei ao local e ele ainda estava ali.

Nas quatro realidades que pude ver, os cachorros são parte do cenário chileno – assim como vulcões, o oceano e a confusão de gente em Santiago, tal qual explicou Snoopy. O cachorro veio e venceu no Chile.

ps: cachorro em espanhol é “perro”. Mas o idioma local tem lá suas peculiaridades. No Chile, entende-se por “cachorro” mesmo, com o “ch” um pouco mais puxado, para “tchô”. 

Desde Chile: A montanha e o clichê

andesSe há um grande clichê ao se viajar de avião, certamente esse é o ato de fotografar, lá do alto da janelinha. Sejam nuvens, a decolagem, o pouso, o mar ou as variadas paisagens vistas a 30 mil pés de altura.

Particularmente, e muito graças às aulas do professor Elson Sempé nos tempos de Famecos, procuro não apenas tirar uma foto por tirar. Busco – ainda que nem sempre alcance – uma boa imagem a partir das técnicas aprendidas naquelas noites de PUCRS.

Até por isso tenho lá alguma birra com fotos no avião. Depois de tanta decepção entre a expectativa e resultado, já prometi a mim mesmo não tirar mais, porque normalmente o resultado não fica bom. Mas foi só ver a aproximação à Cordilheira dos Andes, que essa convicção desapareceu. Mais uma vez.

E, de novo, as imagens não ficaram como esperado. Não conseguiram traduzir bem o “uau” genuíno daquela aproximação, na fronteira entre a Argentina e o Chile, destino da vez.

Tudo bem, tudo bem. Ao menos a experiência guardei bem comigo. Quanto à foto, quem sabe acerto na próxima?

Uma vez em Shibuya

Shibuya TM (1)

Se houve uma lamentação da viagem ao Japão, além do escasso tempo por lá, foi ver Shibuya “vazia”. Ainda que haja certo desconforto em se atravessar a rua com um monte de gente ao lado (e à frente e atrás), não é todo dia em que se está na esquina conhecida como, de fato, a mais movimentada do mundo.

E não é exagerado dizer isso. Neste encontro de cinco ruas – como bem observa o colega Guilherme Kolling nesta matéria (confesso que nem tinha contado) – ao lado da estação de metrô em Shibuya chegam a passar milhares de pessoas por vez num intervalo de segundos.

Portanto, quando estive lá, o que mais queria era ver: gente. Não chegou a ser o caso, conforme minha guia. Naquela ocasião, uma segunda-feira à noite meio chuvosa, passavam, no máximo, apenas centenas por vez. Todos requerendo um pouco mais de atenção, pois além de desviar de pessoas era necessário ter atenção com os guarda-chuvas vindos de todas as direções.

Mas ainda assim deu para se ter uma ideia do espírito daquele lugar, ou do que é a Tóquio moderna. Especialmente à noite, que seria escura se não fossem aqueles modernos telões com publicidades que levam o transeunte a um cenário futurístico – uma faceta japonesa tão marcante quanto a do Japão “tradicional” de samurais.

Em meio ao povaréo que passa por Shibuya estão, claro, diversos turistas. Que lá estão porque disseram para eles que tem uma esquina cheia de gente, diz-que-diz que fez com que se enchesse mais – e por aí vai. Para eles, talvez atravessar a rua não chegue a ser o ponto alto, mas sim parar no meio do caminho e tirar fotos ou gravar vídeos. E o fazem, mesmo que atrapalhe o trânsito.

hachiko

Hachiko

Paralelamente à ânsia por likes e shares eventuais, ao lado da famosa esquina há a lembrança de uma relação profunda, a amizade. Um tributo à amizade, na verdade, simbolizado pela estátua de Hachiko, o cãozinho que ganhou até filme. Hachiko sempre ia à estação aguardar seu dono chegar no trem que para na estação de Shibuya. Um dia, porém, o dono não voltou, pois morreu em acidente. Mas Hachiko não perdeu a esperança de encontrar o velho amigo e voltou lá todos os dias até seu fim. Hoje é lembrado por uma estátua e por diversos cartazes em alusão à sua imagem pela estação.

Um hiato de vida, do outro lado do mundo

hamamatsu (1)

Das ruelas que passamos pela vida

Eram quase 22h. Eu estava, ao lado de mais umas seis ou sete pessoas, parado em um cruzamento qualquer da área central na cidade de Hamamatsu, a uns 16 mil quilômetros do canto de mundo que chamo de meu. Chove fraco, estaria meio escuro se não fosse a intensidade dos painéis publicitários de led nas lojas ao redor. Passam pouquíssimos carros na rua. Mas ainda assim todos esperam a sua vez de atravessar, pois o sinal está verde para os veículos.

Quando o sinal me libera, torno a caminhar a esmo por ruas e ruelas, cheia de lojinhas, bares e restaurantes. Nas fachadas, um idioma completamente estranho. É, sem dúvida, um brevíssimo hiato de vida. E, como Cortázar caminhando por Paris, perdi-me na certeza que iria me encontrar.

Apesar da hora já avançada, medo de assaltos ou qualquer coisa do tipo simplesmente não há nesta realidade, algo bem diferente daqui, infelizmente. Mas diferente também de países da Europa, por exemplo, onde se tem uma sensação de segurança praticamente a todo momento: no Japão não é uma sensação, e sim uma certeza.

hamamatsu (2)

Noite em Hamamatsu

Ao longo da rota improvisada numa cidade nova para mim, cruzo com diversas pessoas, como jovens estudantes, caminhando distraidamente com seus celulares pelas ruas. Inclusive meninas de saias curtas, ao tradicional estilo mangá – elas com a total liberdade de andarem distraídas, bem como escreveu a Taiga em seu blog, TokyoRio.

Todos ali certamente mais preocupados com eventual e repentino terremoto do que com qualquer violência, porque ela praticamente inexiste. Até o retorno ao hotel, ainda tenho algumas surpresas e uma certeza, que o Japão, em muitas momentos, mais parece outro planeta do que apenas mais um país diferente do meu.