Aquel Enero

Mais no Instagram @wildakiba

Arte por Leo Medina

No conocía aquellos mares. Y tampoco aquellos vientos. Una brisa suave, pero también asustadora. Un encanto totalmiente desconocido. Un tipo ya experiente, el marino tuvo ganas de irse. Rumbar adelante.

Pero habia algo extraño. Un sentimiento raro le surgió: el miedo, que se iba tomandolo todo. Sin embargo, partió. Estaba ilusionado de una ilusión que le pareció linda. La más linda que ya tuvo.

¡Navegó! Pero las olas empezaram a crecer. Su ilusión, aunque más cerca, se quedó más lejos. El miedo, entonces, volvió fuerte. Tomó el barco. El camino se perdió e no hubo otro destino sino el naufrágio. El más grande naufrágio de aquel marino.

El mar, sin embargo, es viejo y también sabio. No quería la vida del marino. Quería darle una misteriosa lección. Algo que el marino tal vez solo vá a compreender un dia, más tarde. Muy más tarde que aquella mañana seguiente, cuando despertó después del naufragio.

Tras caerse, no se le recordaba como habia llegado hacia la playa. Estaba agotado, así mismo, él se levantó. A pesar del dolor, sabía que el mar habia le dado otra oportunidad de despertarse. Intentará recompensarlo, porque, al fin de todo, la ilusión se mantiene.

*Mais de quem fez o desenho, no Instagram

Anúncios

Brasil, América Latina?

latino americano

Não é novidade, mas não deixa de sempre (me) surpreender. Como o Brasil é isolado da identidade latino-americana de seus vizinhos de continente. A América, luta a luta, libertou-se do domínio espanhol, enquanto o gigante ali ao lado permanecia adormecido sob a tutela portuguesa.

Festejando o bicentenário de sua independência, o Chile tem nesses tempos de 2018 uma exposição na sua biblioteca nacional – cuja fundação é anterior ao famoso grito de Dom Pedro I às margens do Ipiranga –, na qual narra o processo de libertação e frisa que, após ela, o argentino San Martín seguiu ao Peru, para ajudar na independência daquele país.

Uma espécie de altruísmo? Talvez, mas está mais para uma missão que todos sabiam: enquanto houvesse um país colonizado por espanhóis na região, nenhuma independência estaria plenamente segura. Não à toa, houve diversas batalhas a Oeste do Brasil nas décadas iniciais do século XIX.

Isso tudo enquanto o rei Dom João VI recém apaixonava-se pelo Rio de Janeiro. Isso tudo aqui ao lado do Brasil. E, eu, jornalista caucasiano que recebeu boa educação no Brasil do século XX e XXI quando era estudante, nem lembro de ter visto em livros quando estava no colégio. Talvez por estar aprendendo mais sobre vassalos, suseranos e Napoleão do que os libertadores dos meus vizinhos.

Desde Chile: Un cajón para se conocer

cajon del maipo (1)

Certa feita uma amiga minha trocou a sua foto de perfil no Facebook por uma em que aparecia em frente a um lago e uma montanha. Perguntei se era na Suíça ou no Canadá, aquela vista. Ledo engano: Chile, um lugar bem mais perto da minha casa. Mais especificamente um local chamado Cajón del Maipo, a não muitos quilômetros de Santiago.

O nome “Cajón del Maipo” me chamou a atenção. Cajón, em português, é nada mais que caixão. Nome esquisito para um lugar, digamos, visitável. Mas perfeitamente compreensível na literalidade da língua espanhola. O cajón que batiza a região é porque todo aquele vale fica rodeado de montanhas, como se estivesse em uma grande caixa – sentido até semelhante com o nome da Bombonera, estádio do Boca, em Buenos Aires.

E Maipo é um dos rios que passam por ali. Simples e literal, assim.

cajon del maipo (2)A sensação deste “encaixotamento” é ainda mais presente quando se visita Embalse el Yeso, onde essa minha amiga foi tirar a foto dela. Poucos lugares são capazes de arrancar tantos “uau” por minuto quanto lá. Nesses tempos modernos, certamente serve de cenário para muitas fotos de perfil de Facebook.

De estrutura, mesmo, o embalse pouco tem – na verdade a empresa que administra a represa permite que agências de turismo levem gente até a beira da montanha onde trabalham. De lá sai a água que abastece a região de Santiago, então o banho sequer é permitido, apesar de que em outros pontos se possa fazer isso.

Ainda assim, mesmo que não haja um bar, um restaurante para se sentar, pedir um café ou uma cerveja e passar o dia reparando em cada curva delineada pela natureza, lá é lugar para contemplação e alguma caminhada em busca de um ângulo pouco mais espetacular. A vista impacta, até quando não é inverno, estação que, aposto, deve deixar o cajón muito mais bonito por conta da neve – e bem mais frio, claro. O Google dá uma ideia disso.

cajon del maipo (3)

É um caixão para, além de redes sociais, fixar a retina e guardar na memória.

Desde Chile: Então veio o cachorro

Snoopy

Bem avisou Snoopy na tirinha acima: “Então veio o cachorro”. Se os desenhos de Charles Schulz representassem uma espécie de gênese do mundo, provavelmente, então, a vida começou no Chile, tamanha é a quantidade de cachorros de rua que por lá estão.

Claro, a minha mostra foi um tanto quanto pequena territorialmente falando. Quatro cidades apenas. Em todas, porém, parecia que sempre havia um vira-latas por perto. Um não, mais. Na maioria das vezes tirando uma soneca, completamente alheios ao movimento ao redor. Admito certa inveja da relação com o sono que eles têm.

E não são quaisquer cachorros. São grandes, peludos e relativamente gordos – em contraste à maioria dos quatro patas que vejo caminhando por Porto Alegre. Não raro andam, ou dorme, em hordas pelas calçadas da vida.

A relação com os humanos parece ser boa. Em Valparaíso, cheguei a encontrar até mesmo um pequeno espaço para doação de comidas aos caninos. Dois dias antes, em Santiago, um cusco dormia tranquilamente seguro ao lado da roda de uma viatura policial. Duas horas depois, voltei ao local e ele ainda estava ali.

Nas quatro realidades que pude ver, os cachorros são parte do cenário chileno – assim como vulcões, o oceano e a confusão de gente em Santiago, tal qual explicou Snoopy. O cachorro veio e venceu no Chile.

ps: cachorro em espanhol é “perro”. Mas o idioma local tem lá suas peculiaridades. No Chile, entende-se por “cachorro” mesmo, com o “ch” um pouco mais puxado, para “tchô”. 

Muros

muro de berlim (2)

Já faz algum tempo que publiquei no Correio do Povo uma matéria sobre os 25 anos da queda do Muro de Berlim. Muito mais tempo faz que o próprio deixou de ser uma barreira física, sedimentada na dor, entre duas ideologias de mundo.

Mas só agora, mais de 28 anos depois, que a idade contemporânea superou o tempo em que aquele concreto esteve erguido por 155 quilômetros de vias e mentes berlinenses. Neste início de 2018 dá uma nova lição: da quantidade absurda de tempo em que ficou erguido.

Num mundo em que ainda há muros separando gentes e classes (e por que não ideologias?), o de Berlim ainda existe, como já mostrado aqui anos atrás. Às vezes como souvenir movimentando a economia, erguido e transformado em galeria de arte ou como cicatriz no chão. Também há pontos onde ficaram apenas vigas, dando a ideia de como seria complicado estar junto.

O Muro de Berlim hoje virou a casaca. Se antes era para separar e fustigar, atualmente é um exercício de reflexão a todo mundo que o vê, o estuda e o sente na capital alemã. Ficou presente, apesar de quase todo destruído, para ser lembrado e não repetido. Ainda que exista bastante gente pensando ao contrário.

muro de berlim (1)

Acima, a estátua em frente à Kapelle der Versöhnung, na icônica Bernauer Strasse. A capela foi construída a partir dos escombros da igreja destruída pela intolerância do muro. Versöhnung, em alemão, quer dizer reconciliação.

Um hiato de vida, do outro lado do mundo

hamamatsu (1)

Das ruelas que passamos pela vida

Eram quase 22h. Eu estava, ao lado de mais umas seis ou sete pessoas, parado em um cruzamento qualquer da área central na cidade de Hamamatsu, a uns 16 mil quilômetros do canto de mundo que chamo de meu. Chove fraco, estaria meio escuro se não fosse a intensidade dos painéis publicitários de led nas lojas ao redor. Passam pouquíssimos carros na rua. Mas ainda assim todos esperam a sua vez de atravessar, pois o sinal está verde para os veículos.

Quando o sinal me libera, torno a caminhar a esmo por ruas e ruelas, cheia de lojinhas, bares e restaurantes. Nas fachadas, um idioma completamente estranho. É, sem dúvida, um brevíssimo hiato de vida. E, como Cortázar caminhando por Paris, perdi-me na certeza que iria me encontrar.

Apesar da hora já avançada, medo de assaltos ou qualquer coisa do tipo simplesmente não há nesta realidade, algo bem diferente daqui, infelizmente. Mas diferente também de países da Europa, por exemplo, onde se tem uma sensação de segurança praticamente a todo momento: no Japão não é uma sensação, e sim uma certeza.

hamamatsu (2)

Noite em Hamamatsu

Ao longo da rota improvisada numa cidade nova para mim, cruzo com diversas pessoas, como jovens estudantes, caminhando distraidamente com seus celulares pelas ruas. Inclusive meninas de saias curtas, ao tradicional estilo mangá – elas com a total liberdade de andarem distraídas, bem como escreveu a Taiga em seu blog, TokyoRio.

Todos ali certamente mais preocupados com eventual e repentino terremoto do que com qualquer violência, porque ela praticamente inexiste. Até o retorno ao hotel, ainda tenho algumas surpresas e uma certeza, que o Japão, em muitas momentos, mais parece outro planeta do que apenas mais um país diferente do meu.