Crônica de uma madrugada em aeroporto

image

A380: uma gigante distração

O funcionário do aeroporto de Guarulhos desceu 36 degraus desde a plataforma até a pista. No topo, o ponto mais alto da escada ambulante mal chegava à altura do segundo andar de um A380, o maior avião comercial em atividade do mundo. Era início de madrugada e o gigante ali era a única atração off-line do momento para aqueles que tinham horas pela frente no saguão do embarque.

O A380 não completou um trimestre de atividade no Brasil. Sua imponente presença ainda chama a atenção. Pudera, não é qualquer máquina que faz caminhões parecerem carrinhos de fricção ao seu lado. Outros aviões também se apequenam quando lado a lado.

Mas seu embarque não é fácil. Antes de voar por cerca de 15 horas de São Paulo até Abu Dhabi (ou seria Dubai?) ele leva umas duas horas desde o primeiro vip até o último passageiro atrasado entrar na aeronave. Mesmo a observação do gigante, feita de um banco improvisado no café, torna-se algo bem cansativo – e desconfortável – com o passar do tempo, que insiste em se arrastar.

Ainda assim, reparar em toda a logística de um A380 pode ser mais interessante que checar, rechecar as redes sociais sonâmbulas no início de madrugada. Não à toa que o avião segue atraindo curiosos junto às janelas para a pista. Muitos, como eu, tirando fotos para logo em seguida se decepcionar com a qualidade da imagem, prejudicada pelos reflexos do saguão diante da escuridão em frente.

Aeroportos costumam ser lugares bacanas para observações. Cada passageiro e tripulante leva consigo uma história. Uma origem e um destino, que não necessariamente são na cidade presente. Idiomas, tradições e manias se cruzando aleatoriamente nestas esquinas da vida. Uns apressados, outros em marcha lenta de férias. Provavelmente para nunca mais se aproximarem outra vez.

Quase 2h. Finalmente inicia o taxiamento do A380. Em pouco mais de três minutos, ele sai da nossa frente e vai para a pista, de onde ganhará os ares noturnos em seguida. Tudo viraria um marasmo total ali no café. Mas ao menos o acaso decidiu dar um prêmio pela atenção dispensada. Tão logo o gigante partiu, vagaram preciosas poltronas com um conforto ok. Como nem tudo é perfeito, o som das obras da madrugada afastam qualquer possibilidade de paz sonora.

Um pequeno grupo de pessoas dorme à minha volta, na posição que lhe é possível no espaço da poltrona. E haja criatividade, além de coluna, para conseguir descansar, por melhor que seja na comparação com o banquinho da hora anterior. Invejo-os. Simultaneamente ao tempo que para eles passa mais rápido, vou sendo levemente torturado pelo sono, que tira a disposição e a concentração para a leitura do livro de bordo.

Sobra só a observação e a escrita, companheiras fiéis de um jornalista insone. E ainda me faltam três horas para o meu voo…

Eu sempre voltei, Porto Alegre

porto alegre (2)

Dos temporais que encaramos juntos…

Uns anos atrás li uma crônica da escritora Carol Bensimon, que até hoje traz uma definição que adotei para falar de Porto Alegre: “Nós quebramos pratos às vezes, mas voltamos a nos entender”.

Da minha parte, lhes garanto: estamos quebrando pratos como nunca! A vida longe do pôr do sol do Guaíba nunca tornou-se tão atraente como nestes dias. Ruídos na nossa relação, não têm faltado. Mas por respeito não os cito aqui e, irônica e maldosamente, apenas recomendo: olhem ao redor, leiam os jornais.

A vida não está fácil neste polo meridional brasileiro.

Porém temos um vínculo forte, precisamos admitir também. Porto Alegre, fosse uma pessoa, seria alguém que relutaria a ligar neste domingo para desejar-lhe feliz aniversário. Seria alguém merecedora, sem dúvida, mas talvez não quisesse vê-la de perto neste momento. Admito, contudo: de mim, receberia essa ligação por volta das 20h. Seria cínico, como quem fez pouco caso e passou o dia ocupado demais para uma cortesia.

Ligaria porque respeito o nosso passado. A canção-clichê diz “Porto Alegre me tem”. É um pouco verdade, através das minhas recordações em muitos de seus cantos, alguns dos quais já nem existem mais senão em minha nostalgia infantil. São já três décadas divididas em pequenos espaços de tempo em diferentes ruas, bairros e épocas daqui.

Ligaria, também, porque incrivelmente ainda acredito no nosso futuro – ainda que não muito nestes imediatos anos, deixemos claro. E mesmo quebrando mais um prato, a raiz é forte. Tal qual a esperança. Não é tão mais difícil te imaginar uma cidade melhor.

Aliás, o encanto de grande cidade pequena – ou de pequena cidade grande – é que é raro. Porto Alegre o tem, ainda que insista em sair crescendo de forma atabaolhada e que sua gente tenha mania de se encantar por “modernidades” bestas que transformam o antigo em velho, maltratando a própria história.

porto alegre (1)

…na certeza de uma bonança vindoura

Não sou, tampouco serei fiel a Porto Alegre. Declaro amores a outros lugares, pego a freeway ou decolo do Salgado Filho com um sincero sorriso no rosto. Reparo e às vezes simpatizo ao encontrar aquilo que não acho aqui. Eu gosto de viajar. Mas eu sempre voltei, Porto Alegre.

Uma vez em Lisboa

Lisboa

Lisboa: abril/2015

Nunca havia ido a Lisboa, até descobrir que, se desconsiderar qualquer lógica temporal, eu sempre estive por lá. Foi quando ouvi o fado ao caminhar por suas ruas, na Alfama ou às sombras de seus monumentos de uma gente tão familiar à minha.

Senti-me em casa em Lisboa ao reconfortar o ouvido com palavras de português, esse idioma tão complicado para o resto do mundo, independente se a fronteira começa a partir da Espanha ou da Argentina. Ao transpor com naturalidade essa barreira de falar “ão”.

E assim como tantos outros sobre o Rio Tejo, certa vez também tive que partir sem data para voltar, mas aí já com uma certeza. Deixei em Lisboa algo de mim, que me faz querer retornar outra e outra vez. Chama-se saudade.

Respingos do Iguaçu, parte 1

bus-foz

A única foto num ônibus, onde chinesas e russos conversavam a caminho das cataratas

Foz do Iguaçu é uma cidade fácil de se encontrar. Ainda que, no mapa as distâncias pareciam um pouco menores do que encontrei quando perambulei por lá. E por isso sequer cogitei outro tipo de transporte após desembarcar no aeroporto: táxi.

Rapaz, o rumo até o centro me fez perceber que ser taxista em Foz do Iguaçu deve garantir uma boa renda. Em bandeira 2 por conta do horário, a corrida de uns 15 quilômetros saiu por R$ 60. Só não é o táxi mais caro que já peguei na vida, porque uma vez tive que ir ao aeroporto de Salvador neste tipo de transporte.

A preocupação inicial, contudo, arrefeceu nos dias seguintes, após um breve estudo no transporte público de Foz. Felizmente, tive sorte de me hospedar no Hostel Che Lagarto, a menos de duas quadras do Terminal Urbano, onde param os ônibus da cidade. E como é boa uma cidade em que o transporte coletivo é simples de se entender.

Lá, pega-se ônibus para os principais pontos da cidade. E o melhor, com o básico que um transporte de qualidade deve ter: pontualidade – ao menos no horário de saída nas quatro vezes que conferi. De lá até a Usina de Itaipu, que é mais ou menos a mesma distância do aeroporto ao Centro, apenas um ônibus e lindos R$ 3,20 de tarifa.

Outro ponto positivo é a possibilidade de se trocar o ônibus caso se desça no terminal. Por exemplo, quando voltei de Itaipu, desci do terminal e ali mesmo já peguei o ônibus para as cataratas, sem a necessidade de pagar outra passagem. Foi quando suspirei aliviado ao dar-me conta de que os táxis não seriam um cotidiano por lá, o que fez minhas economias agradecerem.

Quando tive que ir para o aeroporto na volta, não tive dúvidas em ir de ônibus – o 120, o mesmo que vai às cataratas e ao Parque das Aves. A saber, não é o mais confortável do mundo, pois tem menos assentos, priorizando quem vai de pé e também não tem ar condicionado. Ou seja, quem não se importa em pagar (bem) mais caro para ir sentado no fresquinho, talvez não seja a melhor indicação.

Serviço básico:
Terminal – Aeroporto: linha 120. Cerca de 30 minutos de viagem (mais 10 até chegar às cataratas);
Terminal – Itaipu: linha 101. Cerca de 30 minutos, mas a volta é mais rápida.

A tabela com mapas de itinerários e todos os horários das linhas está disponível no site da prefeitura, neste link. De nada!

La inflación en tiempos de crisis

argentina

Arriba, a pesar de todo

“Estou me sentindo nos anos 90”, disse para ele, citando, além da mediocridade dos últimos resultados do Inter, a inflação com a qual me deparei na Argentina, após três anos e meio da minha última passagem pela terra-berço de Maradona.

Àquela época, inclusive escrevi aqui, já havia uma grande preocupação com a alta inflação. Uma matéria do jornal Clarin citava produtos e serviços que estavam passando da “barreira psicológica” dos 100 pesos: um pote de sorvete e dois ingressos para o cinema. A estratégia de 2013 era o congelamento dos preços. Não deu certo. Hoje, 100 pesos virou de vez uma notinha – e não adianta nem argumentar que a cédula vem estampada com o rosto de Evita Perón.

Virou notinha e exemplifico: a entrada no Parque Nacional Iguazú custou 250 pesos, mas o golpe inflacionário se sente mesmo na hora do café – ainda que este café seja o famoso Havanna, que tem lá no parque. Um simples expreso e um delicoso frappe saíram por 120 pesos. Cento e vinte pesos que me fizeram lembrar que oito anos atrás, quando fui a Buenos Aires pela primeira vez, a passagem de metrô custava menos de um peso.

peso-evita

100 pesitos

Gente tirando proveito (dos dois lados)

Mas a variação cambial tem lá suas vantagens para quem pode cobrar. O ingresso no Parque Iguazú tem o preço cobrado exclusivamente em pesos, mas a taxa de conservação (?) paga após a saída pode ser em real. E aí 20 pesos transformam-se em R$ 5.

Sublinhe-se que de acordo com o câmbio daquele dia o certo seria R$ 4,25.

Se o brasileiro sai perdendo na Argentina, a recíproca é a mesma ali do lado, em Foz do Iguaçu, onde a tarifa de ônibus custa R$ 3,20. Mas o cobrador aceita peso argentino. Quanto ele cobra? 20 pesos.

Rumo ao Oeste

cataratas

Sem legendas possíveis

É preciso ir ao Oeste, pensei. Reflexão que veio bater à mente e cresceu desde o meio do ano passado, quando em rápida viagem de trabalho ao Recife (lá no lado contrário), notei tantos e tantos “brasileiros” ao longo do caminho.

Por brasileiros, entenda-se esta grande e heterogênea mistura de cores, etnias e sotaques. Elementos nem sempre tão distintos no Sul do país, onde europeus colonizaram o povo e a cultura mais parece se assemelhar mais às bandas do Rio da Prata do que a que ressoa ao Norte das araucárias paranaenses.

Então, fazia-se – e ainda faz-se – necessário olhar o Oeste do mapa. Este interior longe do mar. Calhou o destino de o primeiro horizonte a ser desbravado nesta direção fosse Foz do Iguaçu, que sequer é o ponto mais a Oeste que conheço neste país, mas é um início de caminho, de uma rota a ser traçada.

Em pouco mais de 24 horas nestes ares, novos horizontes inspiraram textos que ainda serão escritos, como em outras épocas. Voltamos em breve, assim que as férias terminarem.

Uma reflexão gaúcha

2016-04-18 11.37.57

Vale a pena juntar as malas e ir-se do Sul?

Ironicamente, o jornal de Porto Alegre famoso por sua exaltação ao gauchismo publicou dia desses um artigo no que listava motivos pelos quais gaúchos empreendedores deixaram Porto Alegre para trás, rumando a outros destinos do Brasil ou do mundo.

Quem já deixou de acreditar no simplismo que “gaúcho é melhor em tudo” leu duras verdades. De tempos para cá, a capital do Rio Grande do Sul, sim, encampou falsas ilusões como mantras nos últimos anos. Perigosamente acomodou-se, talvez. Acreditou ser uma cidade incrível. Mas que de tão boa ficou ultrapassada. Aqui olho a arquitetura da Porto Alegre do início do século XX e creio que estamos falando de um problema de décadas.

Falta de inteligência seria dizer que tudo que está ao Norte do Rio Mambituba ou no lado espanhol do pampa é melhor. Também não é assim. Sobre Porto Alegre, ela tem lá suas virtudes – por vezes, de fato, únicas no Brasil. Arrisco-me a dizer, com base no conhecimento adquirido em lugares por onde andei, que muitos porto-alegrenses reclamam de barriga cheia sobre alguns assuntos.

Mas que vivemos tempos difíceis por aqui, vivemos. E as perspectivas de melhora parecem ter ficado pouco mais opacas especialmente do fim da Copa do Mundo – justamente o período mais incrível da história recente desta cidade – pra cá.

Paramos no tempo ou as questões levantadas no texto são apenas reflexos do povo e sua cultura? A situação é culpa de políticos inaptos ou quem sabe de eleitores famosos por nunca terem reeleito um governador do Estado? Não sei. Um pouco de tudo, provavelmente. Sugiro a leitura do artigo de Alfredo Fedrizzi em Zero Hora. As conclusões são livres, claro.