Um legado olímpico de verdade

Vôlei e seus dramas

Vôlei e seus dramas

No momento que comecei a escrever este texto estava sofrendo na torcida pelo vôlei. Era a terceira partida no dia, por sinal. Poucas horas antes vi a prova do levantamento de peso e umas quantas do atletismo. Sem contar os outros tantos esportes que acompanhei desde a manhã. Dentre eles, até o futebol, numa espiada sem maior interesse.

Ao longo desses dias olímpicos na redação do Correio do Povo, debatemos e teorizamos regras, táticas e estratégias para se alcançar a vitória em sets, rounds, períodos, quartos e tempos que seja. Foram muitos, o que torna um trabalho exaustivo em algo legal e histórico de se reportar.

Desde o início, tudo tinha uma data para acabar. Aí a rotina retoma a normalidade e, pouco a pouco, não apenas nós do Correio do Povo, mas o Brasil como um todo vai voltando ao seu mundo de imersão futebolística. É irreversível.

A partir da segunda-feira pós-Jogos o Brasil tem um legado a zelar e manter. Depois do Rio, o país tem novos heróis a celebrar, gente quase anônima até 15 dias. É dever de uma nação olímpica entender como legado não apenas ginásios, metrô e a logística, e sim a cultura que adquiriu ao longo de 16 intensos dias de Olimpíadas.

Isaquías Queiroz e Erlon Souza, heróis improváveis | Foto: Alexandre Loureiro/Exemplus

Isaquías Queiroz e Erlon Souza, heróis improváveis | Foto: Alexandre Loureiro/Exemplus

Manter viva a cultura esportiva com a qual o país conviveu é um dos maiores, se não o maior, legado dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. E também o maior desafio dos próximos governos, com a pena de ver arenas modernas virarem imensos elefantes brancos – ou não se transformarem nas escolas prometidas.

O esporte muda vidas e o esporte é muito mais que futebol, como provaram campeões olímpicos brasileiros forjados na dificuldade e na falta de incentivo. A partir do fim dos Jogos Olímpicos, uma geração inteira de atletas terá a oportunidade de desfrutar do que e pode ter de melhor em termos de infraestrutura.

Medalhas, se vierem, serão bem-vindos, mas o ganho para a sociedade como um todo não será possível de ser medido em um simples quadro de cores e números.

Rafaela Silva, uma medalhista de ouro | Foto: Márcio Rodrigues / CBJ

Rafaela Silva, uma medalhista de ouro | Foto: Márcio Rodrigues / CBJ

Agora, mais do que nunca, a bola está com o Brasil. E ela não é de futebol.

Quando eu aprendi a vaiar

Não lembro quando foi que me ensinaram a vaiar. Remontei minha memória esportiva e o máximo que consegui buscar é que já sei isso faz tempo. Por certo uma herança de algum Gre-Nal de décadas passadas. Até hoje carrego este costume, adquirido ao longo de anos de arquibancada em estádios de futebol e dezenas de competições. Ainda que me nego a vaiar meu próprio time, quando ele não está bem, nem por protesto. Por quê? Porque sei que isso deve atrapalhar os jogadores pelos quais eu torço.

Claro, assim como eu, muitos milhões de brasileiros aprenderam a vaiar adversários ainda durante a tenra infância e não poupem um “uh” a atletas em arenas olímpicas por aí. Com o não-desportivo intuito de mais atrapalhar o adversário do que ajudar minha equipe.

As vaias de fato atrapalharam o saltador francês Renaud Lavillenie, na final do salto com vara dos Jogos Olímpicos do Rio. Vi a prova: ele claramente teve a sua estratégia destruída pelo brasileiro Thiago Braz. E justo quando se viu pressionado, ouviu as vaias – algo incomum para um atleta de ponta como ele. Foi saltar atordoado e, como sabido, não conseguiu bater a marca de Braz.

Lavillenie ainda teve a infelicidade de comparar o que ouviu ao ocorrido na Berlim nazista. Ou se comparar a Jesse Owens. Ambas análises equivocadas. Arrependeu-se, mas não a tempo de livrar-se de uma nova e sonora vaia num dos momentos mais sublimes da carreira de um esportista: o pódio olímpico. De lá, chorou. Diante do mundo, em um evento agregador realizado numa cidade famosa por seu alegre carnaval.

Foi humilhante, como ele escreveu. Mas lamentável também. Cabe a reflexão, por nós, brasileiros. Somos um país hospitaleiro, alegre, feliz. O que aconteceu no Engenhão, agora visto por todo o contexto, nada tem a ver conosco. Dava para ter saído por cima.

A vaia na competição pode até ser do jogo em alguns esportes e como nossa cultura é limitada a futebol, vôlei ou outros esportes coletivos – onde o clima é mais acirrado – achamos natural este barulho todo. Mas é uma oportunidade para aprender que não vale para todos. Já a vaia na consagração olímpica beira a maldade. No caso de Lavillenie, foi um erro vingando outro. E foi contra não só o espírito olímpico, assim como o espírito do carioca.

Menos mal que panos quentes foram postos em cima de toda a situação. Melhor assim. Sempre importante aprender com os erros. Deles nossos.

Contexto da corneta olímpica

Tiago Camilo rio 2016

Tiago Camilo, um vencedor: quatro Olimpíadas, duas medalhas | Foto: Marcio Rodrigues/CBJ

Não gosto deste tipo de corneta, mas é normal, vamos lá. Acontece sempre com torcedores brasileiros na primeira semana dos Jogos Olímpicos – quando a grande maioria das medalhas distribuídas são as de modalidades individuais, ainda um calcanhar de Aquiles no esporte brasileiro e, dentre as quais, apenas o judô consegue relativo sucesso.

Então. Amanheceu o sexto dia de Olimpíadas no Rio de Janeiro e o Brasil tem apenas dois pódios – e, especialmente hoje, espero que este dado fique desatualizado em poucas horas. É um pouco aquém do esperado, claro. Há, já, aquele grito contido na garganta e bons resultados sem medalhas começam a incomodar.

Mas antes de sair corneteando atletas a esmo, que tal antes contextualizar alguns fatos? Até para se embasar. É rápido, prometo. Sugiro, para isso, a leitura de apenas duas matérias da revista piauí – ok, nem tão rápido assim. Uma escancaram em alguns parágrafos uma grave promessa não cumprida, que se reflete direto no Rio: “Governo não gastou com atletas metade do previsto”.

Conforme a matéria, aquilo que eram R$ 690 milhões e investimento para colocar o Brasil num audacioso top-10 do quadro de medalhas virou R$ 328 milhões (até dezembro de 2015). Chegou menos da metade do apoio acenado. Grave, não é?

A segunda reportagem, que na verdade é a versão completa do primeiro levantamento, aprofunda o problema. Afinal, não adianta apenas dinheiro no bolso, é necessário equipamentos, ginásios, locais para treinar, enfim.

Houve uma promessa para se criar polos esportivos de Norte a Sul – algo que, pelo amor de Deus, como não existe isso ainda hoje? Pouco saiu do papel. E deste pouco alguns ainda nascem já com um problema de gestão, pois toda quadra nova gera uma conta de luz e uma conta d’água, sem falar nos outros gastos. Quem pagará a nova conta nesses tempos de crise?

Gestão é o que diferenciará uma arena poliesportiva moderna de um imenso elefante branco – não esqueçamos da Copa! Lembremos aqui que são estes ginásio que deverão treinar tanto atletas de ponta, quanto – e principalmente! – crianças com potencial de serem novas Rafaelas Silvas, por exemplo. O esporte brasileiro não pode depender de milagres de encontrar uma Daiane dos Santos fazendo piruetas na pracinha.

Dinheiro, salientemos, não “compra” pódios olímpicos. Existem outros tantos fatores para chegar à consagração. Mas também seria injusto cobrar os resultados especulados por políticos quatro anos atrás com metade do investimento tendo se tornado realidade.

As duas leituras acima são, enfim, contextualizadoras e até certo ponto revoltantes por tal descaso, ou seja, têm os ingredientes sempre presentes no texto do bom jornalismo. Aqui registro meus parabéns aos autores Cristina Tardáguila, Juliana Dal Piva e Raphael Kapa.

Mais a mais, também não é feio reconhecer e parabenizar as finais inéditas na ginástica, o sexto lugar na canoagem, as quartas de final na esgrima ou um eventual quinto lugar no judô. Tem um gosto mais amargo que o doce pódio, claro, mas é importante ressaltar o feito dos atletas.

Olimpismo (e gestão no esporte) não se restringe a vitórias.

Além do mapa – quando o Google tirou os painéis olímpicos do Rio

Dias atrás estive no Rio de Janeiro. Desta vez a trabalho. Bancada por uma empresa, a pauta óbvia era as melhorias que a cidade está passando com as obras visando os Jogos Olímpicos – que, de fato, deram outra cara principalmente ao Centro Histórico carioca e sobre isso escrevi aqui.

Apesar do pouco tempo, nunca andei tanto pelo Rio quanto nestes dois dias de pauta. E apesar de ficar positivamente impressionado com a melhora na mobilidade, me entristeceu ao reparar uma tentativa de “esconder” favelas e/ou outras áreas, digamos, não tão atrativas da Cidade Maravilhosa aos olhos dos turistas.

621941-970x600-1

Foto via Rap Nacional Download

Algumas favelas a beira de avenidas tinham suas fachadas escondidas por coloridos painéis alusivos aos Jogos Olímpicos, principalmente na Linha Vermelha, que faz a ligação do centro com o aeroporto do Galeão, onde a maioria das delegações desembarcará. Obviamente, a Prefeitura do Rio negou que o objetivo era “esconder” as comunidades.

O plano de decoração, no entanto, naufragou graças a uma iniciativa de ninguém menos que o Google. O especial “Além do Mapa”, que faz o convite escancarado ao mundo que não poderá enxergar além do painel: “Entre nas comunidades do Rio de Janeiro, lar de mais de 1,4 milhão de pessoas”.

Um dos mais especiais multimídia mais completos que já vi inicia com um texto esclarecedor: “O Rio é uma cidade dividida. Tem o lado que todo mundo conhece, Copacabana, Ipanema, mas tem um outro lado. O das favelas. A cada cinco pessoas, uma vive nas favelas. Quando você olha no mapa de perto do Rio de Janeiro, a maioria das favelas ainda são um buraco cinza no mapa, como se não tivesse nada”, diz, antes do convite: “Para você descobrir, você precisa entrar e entender”.

alem do mapa

Convite feito, então. Separe alguns vários minutos e mergulhe nesta realidade genuinamente carioca.

João Derly por mais de um ângulo

   Escrever sobre João Derly não é novidade alguma para mim. Já são quatro anos de convivência com ele, desde os tempos de estágio na Sogipa. Ainda que não seja diária, já rendeu uma amizade agradável. Mas, além disso, temos um vínculo profissional por dois caminhos: eventualmente ele é pauta quando sou repórter do Correio do Povo, e sempre é minha pauta quando estou trajado de assessor de imprensa da Federação Gaúcha de Judô.
   Pra quem não sabe, dias atrás ele voltou a lutar depois de um longo período machucado. Infelizmente, lesionou-se de novo. Passados uns dias de tensão, saiu o diagnóstico, que comprova: o sonho olímpico de João, ainda que difícil, segue vivo. Para alívio dele, que passou mais de uma semana de angústia e incerteza. E minha também, por ver alguém que posso chamar de amigo cheio de esperança e motivado para ir em frente.
   O texto abaixo fiz para o site da FGJ e foi publicado uns dias atrás. Gostei dele, escrito de maneira espontânea ainda que a trabalho, após poucos minutos de conversa/entrevista com ele. Trouxe pra cá também:

Aliviado e motivado, João Derly já inicia recuperação visando Londres

   “Foi um alívio”, confessou João Derly, nesta quarta-feira, após a concorrida entrevista coletiva na qual ele, o médico Luiz Marczyk e o técnico Antônio Carlos Pereira, o Kiko, explicaram a lesão sofrida pelo bicampeão mundial durante a seletiva nacional, no mês passado. O judoca sofreu um estiramento no ligamento e está descartada a possibilidade de cirurgia no local.
   Mas o susto foi grande. Bicampeão do mundo, acostumado a grandes conquistas e a enfrentar desafios, Derly sentiu medo quando teve de abandonar a luta contra Marcelo Contini. “Achei que tinha ‘estourado’. Pouco depois, passou o filme na cabeça sobre a cirurgia, a demorada recuperação. Cheguei a pensar que a Olimpíada tinha acabado para mim”, revelou.
   Dois dias depois da seletiva em Vitória, João Derly voltou a Porto Alegre para realizar exames. Os resultados incertos aumentaram a dúvida se o ligamento cruzado havia ou não rompido, o que significaria mais seis meses de tratamento e consequentemente o fim do sonho olímpico. O pior, entretanto, não se confirmou. O novo diagnóstico apontou estiramento no ligamento medial e uma pequena lesão no menisco. “No máximo, o que vai acontecer é uma artroscopia.”
   A notícia foi recebida com alegria pelo atleta, e seus colegas de clube, além de ter sido capaz de devolver o costumeiro sorriso ao rosto do bicampeão mundial, e, claro, de manter acesa a esperança de estar em Londres no ano que vem, para disputa dos Jogos Olímpicos. Os primeiros passos para chegar lá são as duas competições no Brasil: “Agora eu estou confirmado no Grand Slam do Rio e na Copa do Mundo de São Paulo”, ressaltou Derly. “Vou chegar lá e colocar para cima aqueles japonesinhos”, brincou, novamente, aos risos.

Na tensão, momentos de carinho

   Os dez dias de incerteza foram torturantes. O joelho inchado e o diagnóstico impreciso tiraram um pouco do sono do bicampeão mundial. Mas o carinho recebido por fãs em todos os lugares foi fundamental. “Cheguei a explicar para umas dez pessoas a minha lesão quando fui num mercado. Todas vieram falar comigo para me desejar recuperação”, contou.
   Mas agora o momento será de concentração. Derly já iniciou a sua recuperação com sessões de fisioterapia, em uma academia de Porto Alegre. “Ainda não tenho uma data certa para retornar aos treinos no tatame, mas já faço musculação para reforçar o machucado”, disse. “Vou me resguardar para ter a melhor recuperação possível.”

Desabafos alheios. Ou momento confessional nº 8

   Lembro do Mestre Leonam ensinando e repetindo inúmeras vezes os mandamentos do jornalismo: “Mandamento número: jornalista não pode ser ingênuo; mandamento número dois: jornalista não pode ser ingênuo; mandamento número três: jornalista não pode ser ingênuo”.
   Por mais que tenha aprendido a lição, passado com uma das notas mias altas naquela disciplina e sempre me perguntar, quando dou por encerrada uma matéria, se o professor aprovaria o texto, às vezes acho que não compreendi ainda essa lição. Em momentos como agora, que não consigo – e não quero – acreditar nos boatos que li há pouco.

“Governo propõe pensão para tricampeões do mundo”

Os jogadores campeões mundiais com a seleção brasileira de futebol poderão ganhar uma ajuda econômica, tão desejada a muito tempo. Nesta quinta-feira, o Governo enviou oficialmente ao Congresso um projeto de lei que prevê uma pensão vitalícia para os atletas triunfantes nas Copas de 1958 (Suécia), 1962 (Chile) e 1970 (México), especialmente para os que apresentarem maior dificuldade financeira.

A Presidência informou que o texto, publicado nesta quinta-feira no Diário Oficial da União, será estudado pelo Congresso antes de ser aprovado nas contas de Brasília. O projeto cederá um prêmio de R$ 100 mil para cada um dos jogadores que compuseram os elencos das três conquistas mundiais. Em caso de falecimento, os herdeiros receberão a quantia.

Somado ao valor depositado de forma imediata, o Governo Federal pagará uma pensão mensal para cada jogador, igualando-a à máxima admitida atualmente no país (R$ 3.416). Dessa forma, o estudo, que já dura dois anos, está perto do final esperado pelos ex-vencedores dos três primeiros títulos brasileiros de Copa do Mundo.

A iniciativa para esta ajuda monetária surgiu quando o título do Mundial de 1958 completou 50 anos. Em uma cerimônia em Brasília na época, os atletas daquela geração mostraram a dificuldade financeira a qual viviam alguns deles e comoveram o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que sugeriu a proposta deste acordo e prometeu acelerar este processo.

Detesto um (não)debate assim sobre política, mas essa foi demais! Vou ponderar por partes, tentar ser breve e não me irritar muito:

1) Sou completamente favorável a todas as formas de reconhecimento público a heróis, sejam eles bombeiros, lixeiros ou atletas. Poucos assuntos são capazes de mobilizar tanto a opinião público e a população como o esporte. O esporte une, gostem ou não, o nosso distraído povo brasileiro. É uma lástima e uma falta de consideração ver pessoas que representaram o nosso país passando por dificuldades financeiras. Tão triste quando um bacharel desempregado, sem dúvida.

2) Em rodas preliminares de discussão na internet, em blogs e twitters, notei certa indignação e perguntas do tipo: “E os que não foram campeões em 1966, como que ficam?”. [explosão e perdão pelo palavrão] Não consegui evitar o pensamento: “PUTA QUE PARIU, parem de pensar somente em futebol, CARALHO!” Temos 200 milhões de pessoas nesse país, somos conhecidos pela grande variedade e mistura de culturas, mas só pensamos em futebol? (E escrevo isso depois de participar da cobertura de dois grandes jogos nessa semana)

3) Se dá para chamar de herói (e ficar com pena e dar pensão) àqueles campeões mundiais de 1958, 1962 e 1970, como classificar os bicampeões mundiais do basquete (1959 e 1963) ou Natália Falavigna, campeã mundial no taekwondo, ou João Derly? Também estavam representando o mesmo país e foram campeões do mesmo mundo, não? Se vamos dar uma bolsa-campeão-do-mundo para um, abre-se o precedente para todos os outros. Faça-se justiça nessa lambança, então. Não vamos esquecer nossos campeões do mundo. E já vou lembrando: o Brasil já ganhou algumas vezes o Mundial de Punhobol.

4) Sonho em ver o Brasil uma potência olímpica. E fico muito triste ao ver que temos plenas condições e desperdiçamo-as facilmente. Muito em parte da mídia, que privilegia demais o futebol, muito em parte do governo, que não investe corretamente esporte. Até por isso fiquei feliz com a escolha das sedes da Copa de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016. Ao contrário do Mestre Leonam, acho que isso pode ser um incentivo ao esporte. A mais pura ingenuidade minha, eu sei.

5) [hora de colocar o nariz de palhaço, caro(a) leitor] Eu sei que o dinheiro que querem dar aos atletas não chega a ter tanto impacto nos cofres do governo. Um milhãozinho a mais ou a menos nada mais é que a quantia desviada em alguma esquina de Brasília. Mas acho que sou obrigado a escrever isso. Caindo na demagogia: antes de pensar em ajudar nossos heróis do passado – o que é justo e honroso -, o Governo Federal poderia investir mais em escolas e universidades públicas – o que é necessário -, reformar um hospital – o que é urgente – ou, sei lá, tapar uns buracos de qualquer BR por aí – há várias precisando de uma manutenção.

Updade
Enquanto isso, nos outros esportes (que também têm campeõesm mundiais)

O homem, o mito, a lenda

bolt   Usain Bolt continua imbatível no Campeonato Mundial de Atletismo, que está sendo disputado em Berlim. Nesta quinta-feira (20), ele conquistou mais uma medalha de ouro, agora nos 200m rasos, com direito a quebra de recorde mundial. De novo. A medalha de prata ficou com Alonso Edward, do Panamá, e o bronze com o norte-americano Wallace Spearmon. Com a vitória, o jamaicano repetiu a dobradinha dos Jogos Olímpicos do ano passado, quando também foi campeão dos 100m e dos 200m.
   Usain Bolt disse, nesta semana, que queria virar uma lenda, um mito do esporte. E ele comprovou isso. Fenômeno das pistas, homem-voador, pulverizador de recordes, qualquer um desses adjetivos pode muito bem virar um sinônimo de Usain Bolt, disparadamente a pessoa mais veloz deste planeta.
   A prova dos 200m rasos pareceu um déjà vu de domingo (16), quando foi disputado os 100m rasos. Na ocasião, Bolt simplesmente não deu chances aos adversários e cruzou a linha de chegada (bem) a frente dos oponentes e estabelecendo um novo recorde mundial (9s59). Hoje, a história foi idêntica.
   Assim que entrou na pista do estádio olímpico de Berlim, a atmosfera ficou diferente. Alheias as outras provas que ocorriam simultaneamente, as câmeras voltaram-se para o atleta da Jamaica. Simpático, ele retribuia a atenção com sorrisos, beijinhos e acenos para a torcida alemã. Ele era o dono da festa. E sabia disso.
   Quando a prova começou, já nas primeiras passadas, o jamaicano mostrou que não daria chance para os outros competidores. Logo, logo, eles ficaram para trás. O adversário de Bolt, então, passou a ser o tempo. Que ele seria o vencedor, não havia mais dúvida desde a metade da prova. Naquele momento, a questão era: com recorde ou sem?
   Nesse duelo, de passada em passada, Usain Bolt foi vencendo. E, a uma distância considerável do segundo lugar, chegou na frente. O relógio marcava 19.20s – depois corrigido para 19.19s. Nem o tempo foi páreo para Bolt, o novo campeão e recordista mundial da prova dos 200m rasos. E, claro, nova lenda do esporte!

Publicado no JC antes!