Quase um e-book

bloco

Ainda sobre números e comemorações dos 10 anos, estão abaixo separadas mais de 22 mil palavras distribuídas em 67 posts, organizados de forma cronológica, quase que numa montanha-russa de assuntos e situações.

Esses textos não são necessariamente os melhores – até porque gosto é algo individual –, mas os mais marcantes para quem os escreveu e gastou algum tempo para revê-los. Seja pelo resultado final ou pela motivação da primeira letra – o “insight”, como dizem os amigos publicitários em sua língua-mãe.

Tudo isso selecionado na base da correria, em menos de uma semana e diagramado muito toscamente em Microsoft Word 2016, em horas vagas em casa. Foi uma corrida para vencer o deadline exato dos dez anos. Vencido, esse post foi para o limbo, de onde foi retirado um mês depois.

Publicar ou não publicar, era a questão. Porque não ficou exatamente como se imaginou. Faltou alguma coisa, um quê de design e uma revisão mais aprimorada, quem sabe. Enfim.

Mas vai para o ar agora. Até pelo que representa ter um blog de uma década de vida. É uma trajetória e tanto. E o mais legal disso é revisitar textos antigos e, se em alguns se vê um traço de qualidade, em tantos outros o sentimento é de vergonha alheia por um dia aquilo ter sido publicado.

Um blog, como esse, nunca deixou de ser um diário, mesmo que a periodicidade esteja bem longe disso. Porém, também é um registro de diversas fases e inspirações de parte importante de uma vida. No caso, a minha.

Dez anos, 3,6 mil dias de um blog que nasceu sem ter um prazo ou objetivo bem definido, que já mudou a rota algumas vezes. E seguirá mudando, porque a vida é assim. Então, não te esqueça: é tosco. Bem tosco. Mas é de coração:

http://e.issuu.com/embed.html#31432530/55417330

E se não conseguir acessar, tenta direto neste link.

Anúncios

Uma década até aqui

telha10anos

10 anos

Em uma matéria jornalística, quando se quer dar uma dimensão mais exata dos fatos, aproximar o texto do leitor, não raro usa-se números. Algarismos unidos que, juntos, são capazes de aproximar um fato do cotidiano das pessoas.

Pois então, usemos. Temos aqui dez anos, completos às 16h34 deste 15 de outubro de 2017. Passaram-se, logo, uns 3,650 dias desde a primeira e bobinha postagem de boas vindas. De lá pra cá, foram 452 textos publicados, além de outros cinco misteriosamente pendentes – incluindo um texto pronto desde 2014 e até hoje na fila, sabe-se lá o porquê.

São, já devidamente preenchidas, 120 meses de arquivos. Um por mês. O mais legal é que esta caixa de arquivo conta um pouco de algumas fases da minha própria vida. Ou do meu próprio texto. Mistura realidade e ficção, mistura histórias próprias e de outros, com causos nas linhas e nas entrelinhas escritas ou pensadas em bares noite afora. A isso somam-se teses, jornalismo e muito papo sério.

Aos poucos, lê-se umas modificações e tanto. Evolução da escrita? Talvez. Um olhar mais crítico, com certeza. Há reflexões, comentários, lamentações e relatos de observações feitas desde aqui, ali e até do outro lado mundo.

Enfim, obrigado por teu minuto de atenção e por fazer parte disso, amigo leitor.

A internet ainda pode dar certo. Ou momento confessional nº 16

taiga

Não raro, a internet tem me decepcionado ultimamente – um pouco mais desde de algum momento entre 2013 ou 2014. Talvez seja efeito das redes sociais, mas o palanque da timeline – esta oportunidade para muitos de, enfim, portar um microfone – tenha estimulado demais o extremismo. De um lado e do outro.

A internet hoje, apesar da maior integração entre as pessoas, parece algo muito diferente de seu início. E olha que navego por esses mares se não desde as primeiras ondas, desde um tempo ainda remoto pré-Facebook. Tempos ingênuos de zipmail e distribuição de discador online em CD-Rom como ação de marketing.

Mais cético, certamente, sou um cara bem mais desconfiado. Mas não capaz de me surpreender, como minha reação dias atrás: “Uau, as pessoas que a gente encontra pela internet ainda podem ser boas e o mundo tem chance de ser um lugar mais integrado, independente de qualquer transação comercial”.

Mais ou menos isso que pensei ao saltar em alguma das centenas estações do metrô em Tóquio, depois de cerca de duas horas de um passeio guiado pela querida Taiga Gomes, talentosa jornalista do (excelente) blog TokyoRio.

No início do mês, eu tive que atravessar o mundo meio que de sopetão. Uma viagem a trabalho que, desde sua incipiente ideia até o embarque no avião, mal levou dez dias. A correria acabou por minar qualquer chance de planejamento prévio para conhecer um lugar tão distante geográfica e culturalmente do meu cotidiano.

A verdade é que entrei em contato com a Taiga sem muita expectativa de retorno. E qual não foi a minha surpresa na pronta resposta e disposição em me ajudar? A troca de e-mails acabou gerando até um breve city tour pela capital japonesa. Um ato simples e querido, mas demasiadamente contrastante com o mar intolerante que não raro inunda as redes sociais.

A internet ainda pode ser um lugar bem legal com pessoas dispostas a ajudar a outra sem aguardar algo em troca, como sugeria lá no seu começo ingênuo. Mais integração através da conexão com o próximo.

Pessoas como a Taiga provam isso. =)

Jornalismo e a crise

Ontem foi dia do jornalista e talvez pela data esteja meio sentimental, especialmente nestes momentos turbulentos seja nas redações ou em salas de governo. Mas, com certo otimismo, ver este cartaz postado pelo Daniel Scola, da Rádio Gaúcha, me fez refletir superficialmente um pouco sobre a relação jornalismo x crise:

Chamou minha atenção a expressão “jornalismo eletrônico”. E isso falado lá por meados da década de 70, quando a televisão, dizia-se, estava em vias de acabar com o rádio, meio então mais consagrado por informar a população.

Não acabou, como todos sabemos. O rádio, desde essa época, adaptou-se. E segue uma nova era agora, com muitas emissoras AM levando seu conteúdo para a FM, onde a música já não é necessariamente o principal conteúdo oferecido. Com a profusão da internet, que não matou a TV, vivemos uma época que temos muitos acordes ao nosso alcance, afinal.

alina

A redação | Foto: Alina Souza/Correio do Povo

Pra quem não conhece, o Atualidade é um programa onde jornalistas de diferentes veículos e meios da RBS participam. Não deixa de ser uma atração de mídia convergente, tema da minha monografia de graduação em jornalismo em 2008. Tratei o assunto como uma grande novidade, pegando o caso de uma cobertura multimídia na web.

Porém, como bem se vê, já existia o “jornalismo eletrônico” havia décadas. Em quatro anos de faculdade ainda vi outras tantas expressões: “fotojornalismo”, “jornalismo cidadão”, “telejornalismo”, “jornalismo gonzo”, “jornalismo digital”, “jornalismo literário”, “jornalismo de dados” etc.

Há uma constante, nota-se. E mesmo com redações mais esvaziadas e a digitalização de processos, o jornalismo continuou – e continua. Menos gente pode significar mais trabalho, mas também mais responsabilidade àqueles dispostos a fazer um bom jornalismo (algo que nem todos os profissionais estão dispostos e, sim, dá trabalho!). Esses, tenho certeza, seguirão existindo independente da tecnologia que vier.

Muitos jornalistas têm medo que uma tecnologia arrasadora faça voar forte o passaralho. Mas o jornalismo vive nesta crise. Há décadas ele segue aí. E seguirá.

O lado oculto do fio da meada

blocoA grande ideia surge, mas logo agora? “Isso é brilhante”, penso, numa recente empolgação. Mas a caneta some, o computador nem ligado esteve. O escasso tempo passa.

Não fica nem um rabisco que contaria aquela história. Ou talvez uma palavra, no máximo uma bifurcação obscura que leva a um pântano de palavras desconexas.

E então encontra-se a dúvida: para onde vai a inspiração para os textos que a gente esquece?

Madrugada

Ele acorda. Ela dorme
Ãhm?! Puuuuutz!!! O que ela tá fazendo aqui? Peraí, onde eu estou? Sabia que não deveria tê-la beijado. Ai, aqueles goles… Maldito sejas, Johnnie Walker.

Ele se preocupa. Ela continua a dormir.
Roupas no chão, lençóis sobre nós… Ah, o que eu vou dizer lá em casa? Nem quero imaginar o que os outros vão falar… Adeus boa reputação.

Ele (enfim) se lembra. Ela (dormindo) sorri.
Mas o que aconteceu ontem? Bebi, beijei, depois fomos para… ah, sim, sim… hmm… Foi tão bom. Putz, mas vai dar um rolo danado isso. Ah! Azar, isso só amanhã, deixa assim.
Tá tão bom aqui.

*Livre inspiração para o verso “Todo dia de manhã nostalgia das besteiras que fizemos ontem”.