Meu fantasma

Tenho um fantasma que habita em mim. Um fantasma abstrato, contudo de uma presença impressionante. Um fantasma que certa feita foi feito de concreto e tijolos, mas que hoje já não existe mais, a não ser na memória de quem o conheceu. Uma recordação a cada dia que passa mais longínqua.

Esse fantasma tinha endereço. Morava no coração do bairro Menino Deus. Desde que foi ao chão, vaga por aí, entre antigas fotografias – desde as em preto e branco até as compostas por pixels – e lembranças alheias. Sobrevive, ainda que seu tempo seja contado, pois já existem gerações que não o conheceram pessoalmente.

Em breve chegará o dia em que aquele endereço na rua Dona Augusta tornar-se-á completamente desconhecido. Nunca hão de saber que lá o ambiente de um prédio mais novo qualquer era outro. Totalmente distinto. Tinha cheiro próprio, tinha vida, tinha alma. Foi um refúgio seguro ao longo de décadas, não só para mim. Tinha, acima de tudo, meus avós como seus habitantes.

Mas agora seu tempo é passado. Mesmo que insista em resistir no presente. Como um fantasma que surge em sonhos completamente aleatórios. Sai do vazio e transforma-se em cenário de um passado gostoso. Quase como uma máquina do tempo que nos saca da vida adulta diretamente à tenra infância.

É dúbio revê-lo. Bom e mau, porque às vezes veste a carapaça de um casarão mal assombrado. Como a faceta de um fantasma em meio à cidade grande. Cidade que o próprio cotidiano atual já não reconhece. O bairro de hoje cresceu em altura. Abdicou dos inúmeros gramados nos jardins em busca de vistas para o pôr do sol a uns poucos privilegiados.

Uma dentre tantas casas fantasmas, que viveriam a sombra de prédios se ainda fossem de concreto e tijolos. Cada qual com seus donos, todas fantasmas que deixaram a rua e agora residem em fotos. Que residem em memórias e residem em mim enquanto houver lembrança.

Anúncios

Hora do Conto – dos relatos perfeitos

cronica gaboHá uma vantagem de ser um leitor tardio de Gabriel García Márquez: sua obra é muito vasta. Se não for feito um intensivo e sim degustado pouco a pouco, é possível ler seus livros e textos de tempos em tempos, por um longo período. É o meu caso, um leitor de Gabo há apenas dez anos.

Um breve parêntese: primeiro livro que li dele foi logo “Cem Anos de Solidão”. Certa feita, em um horário de almoço no meu estágio, ganhei uns minutos a mais, porque meu então chefe viu o livro que estava lendo. “Pode continuar aí que eu seguro as coisas um pouco.”

Pero bueno. Meu García Márquez deste início de 2018 foi “Crônica de uma morte anunciada”, publicado originalmente em 1981. Bom contextualizar que o autor era, como vocês devem saber, jornalista. E, usando a mescla da linguagem jornalística com o enredo de romance, criou aqui um de seus melhores relatos. É um livro, mas poderia ser lido em um jornal.

A história conta sobre a morte de Santiago Nasar – “condenado” pelo crime de ter, supostamente, desvirginado uma noiva em alguma pequena cidade caribenha. Revisitada anos depois do assassinato, a história relatada inicia horas antes da morte até a hora do crime, com citações de dias seguintes.

É uma climatização capaz de jogar o leitor no ambiente daquela “terça-feira que começava sombria”, antes da chegada do navio que trazia o bispo – evento para o qual todos do lugar haviam se mobilizado.

“Questões de honra são lugares sagrados aos quais só os donos do drama têm acesso. ‘A honra é o amor’”

O texto, que de quebra oferecer volta e meia aquelas frases definitivas para serem relidas a qualquer momento, não deixa de ser um dos ápices não só do autor, mas do jornalista Gabriel García Márquez. Se toda reportagem fosse contada como o relato do narrador do livro, o jornalismo seria bem mais completo – e certamente mais consumido. Além de ter uma qualidade muito superior.

doodle gabo

Texto publicado no dia em que Gabo completaria 91 anos, lembrado por este doodle acima