Textos baianos: Itapuã

Tem que passar pela Rua dos Versos, e seguir passando pela da Poesia, da Prosa, da Música e do Romance. É bom não guiar-se pelos coqueiros, que são por demais à beira-mar, mas sim pelo farol, que desde 1873 ilumina as ondas que chegam à praia de Itapuã, cuja geografia e denominação de ruas é uma ode à arte.

Em linha reta, tangente ao farol, ele estará lá, literalmente bronzeado. Sentado em uma mesa de bar, com uma convidativa cadeira vazia ao seu lado, como se esperando a sua chegada. Tem um bloco e, pelo jeito, houve uma caneta, subtraída dia desses.

De lá, Vinicius de Moraes observa ao longo de seguidas tardes em Itapuã o farol, os coqueiros e as eventuais musas caminhando num doce balanço a caminho do mar. Ainda que Ipanema esteja bem longe daqui.

A visão de Vinicius

A visão de Vinicius

Anúncios

Um pensamento sobre “Textos baianos: Itapuã

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s